• ECAPE

Poda do Pessegueiro

O pessegueiro (Prunus persica) pertencente à família Rosaceae é uma árvore frutífera nativa do continente asiático. No Brasil é uma cultura de grande importância econômica nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, por apresentarem melhores condições climáticas e ambientais para o seu desenvolvimento e produção, comparado a outras regiões do Brasil.

Para garantir boa colheita de frutos e com um valor comercial maior é indispensável a poda, que pode começar a ser feita no final do mês de junho, período em que a planta está em repouso. Plantas que são podadas no período de dormência com os frutos em formação possuem a tendência de produzir frutos de baixa qualidade e pequenos. A poda é necessária para manter um equilíbrio do crescimento da planta e volume da produção de frutos, ao retirar alguns pontos que podem haver brotação aumentará tanto o vigor da planta para o próximo ciclo vegetativo quanto o volume de frutos.

Outros pontos positivos da poda é a passagem de luz solar e circulação de ar que ela garante, frutos com boa coloração, boa sanidade, uma vez que diminui a incidência de pragas e doenças, e aumenta o teor de açúcares, que é desejado para os frutos de mesa e de indústria. A maioria de doenças fúngicas se desenvolve quando a planta está molhada a muito tempo, com a poda bem feita as plantas secam mais rápido, diminuindo a incidência de doenças.

A poda é dividida em três tipos: De formação, frutificação e a poda verde e raleio de frutos. A poda de formação é realizada quando os pomares são jovens, com o intuito de dar formato à planta, podendo ser em taça, “Y” ou em “X”, com a retirada dos galhos principais, chegando ao formato desejável. A de frutificação tem o intuito de escolher quais galhos podem garantir uma melhor produção de frutos e quantidade, pode ser feita desde o início da floração até o final, caso essa prática for antecipada podem trazer consequências indesejáveis para o produtor, como a antecipação da brotação, fazendo com que a planta fique mais sensível a geadas. A frutificação do pessegueiro só ocorre em ramos do ano anterior, após a frutificação ele perde sua função e deve ser podado, para que a planta não destine muita energia para um ramo que não irá frutificar novamente, trazendo problemas de nutrição para a planta. Durante esse período também é possível retirar galhos que estejam afetados por pragas e doenças, e galhos secos.

E por último a poda verde e o raleio de frutos, que é realizada porque o pessegueiro possui uma grande capacidade de brotação e necessita de podas para que a planta fique bem arejada e permitindo uma boa entrada de luz solar. Nesse momento também são retirados os galhos secos, os que apresentam algum sintoma de doenças e aqueles que possuem frutos podres. A falta de raleio em uma produção pode acarretar em frutos com tamanhos pequenos e sem valor comercial.

Quer saber mais sobre as podas em frutíferas? Entre em contato conosco pelas nossas redes sociais, disponibilizamos de serviços para você produtor, que pretende melhorar sua produtividade, entrar no mercado ou até mesmo para sua produção em casa!

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo