• ECAPE

Nogueira Pecã

No Rio Grande do Sul, maior produtor do País de nozes-pecã, o cultivo do fruto já tem mais de 50 anos de história. Devido ao clima e ao solo propícios para a produção, o cultivo se espalha por grande parte do Estado. A árvore é encontrada em 30% do território gaúcho, com uma produção em 148 municípios, de acordo com informe técnico da Embrapa. Como dito anteriormente, a Nogueira não é uma cultura nova no RS, mas foi a partir de 2012 que o cenário começou a mudar, houve um crescimento acentuado na produção. No ano passado, a produção de nozes-pecã brasileira registrou 3,5 mil toneladas e elevou o patamar do Brasil em relação ao cultivo do fruto mundialmente.

Se você é produtor e está interessado em começar o trabalho com a nogueira, o retorno econômico esperado dessa cultura é a longo prazo, por isso destaca-se a importância de se fazer uma análise de custos e investimentos, mesmo que haja grande disseminação do cultivo de Nogueira Pecã na região.


Abaixo vão algumas informações essenciais para introduzir essa cultura na propriedade. É necessário dizer que essas recomendações são gerais e podem variar de propriedade a propriedade, portanto, procure um técnico especializado ou um consultor para lhe atender. E antes de tudo isso, é necessário um projeto de Viabilidade Econômica, prevendo as possibilidades para o investimento nessa frutífera.


Características da Cultura

A nogueira-pecã começa a dar seus primeiros frutos entre o quinto e o sexto ano de plantio e, a partir do sétimo ano, apresenta uma produção de maior expressão. "É uma cultura mais demorada, por ser uma árvore de grande porte e necessitar de mais tempo para a sua formação. Ainda assim, é um bom investimento, com retorno assegurado, uma vez que necessitamos importar esse tipo de fruto para abastecer o mercado", diz o pesquisador da Embrapa Clima Temperado.


É uma frutífera que se adapta com facilidade à região de clima temperado, especialmente da região Sul do Brasil, pela boa adaptação que obteve ao longo de mais de 50 anos. Desperta interesse por se adaptar a diferentes condições edafoclimáticas, pela facilidade de mecanizar o manejo do pomar, disponibilidade de mudas, longevidade de produção, facilidade de armazenamento das frutas, e ainda, a possibilidade de inserção em sistema de consórcio.


Escolha do Solo

O solo deve ser preferencialmente rico em matéria orgânica, com profundidade de, no mínimo, 60 cm de profundidade pois a nogueira não tolera solos alagados.


Química do Solo

O pH na faixa de 6,0 é ideal para a cultura e por ter um sistema radicular vigoroso, é necessário que a análise de solo chegue a 40 cm. Sendo necessário a adubação correta dos macronutrientes (N,P,K) além do micronutriente Zinco.


Escolha das Mudas

O ideal é obter mudas de qualidade oriundas de viveiristas credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).


Escolha das cultivares

É importante destacar que a nogueira-pecã é uma planta monóica, com inflorescências estaminadas (masculinas) e pistiladas (femininas) separadas, que ocorrem na mesma planta.

Tanto as cultivares denominadas “principais” como as “polinizadoras” são produtivas. Sendo que o termo “cultivar principal” é utilizado somente para destacar que é a cultivar com maior número de plantas no pomar. As cultivares “polinizadoras” estarão em menor número, sendo recomendado aproximadamente 15% de cultivares polinizadoras, divididas em três a quatro cultivares (ou mais) distribuídas adequadamente no pomar, com o objetivo de potencializar a polinização cruzada. Importante destacar que a polinização cruzada é eficiente até aproximadamente 46 m de distância (Wells, 2017). Dessa forma, o planejamento de plantio deve levar em consideração essa distância máxima entre plantas principais e polinizadoras, de forma que todas as plantas principais possam ser adequadamente polinizadas.

No Registro Nacional de Cultivares (RNC), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, estão registradas 41 cultivares de nogueira-pecã (http://sistemas.agricultura.gov.br/snpc/9cultivarweb/cultivares_registradas.php). Algumas das principais cultivares comercializadas hoje no mercado nacional foram descritas em publicação de Hamann et al. (2018), disponível no site da Embrapa, no link https:// www.embrapa.br/clima-temperado/ busca-de-publicacoes.


Observações finais:

É preciso cuidar no início, principalmente as formigas e o controle de plantas competidoras.

Para regiões que sofrem com períodos de estiagem no verão, é necessário irrigação no pomar, pois, embora ela seja sensível a solos alagados, a falta de água causa uma queda de produção muito grande.

Há manejos adequados para a poda também, como: início do plantio, podas de manutenção, podas de frutificação, de clareamento, fitossanitárias de renovação e verde também




Fonte: Embrapa


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo